A crítica que corrige; a bajulação que corrompe


Santo Agostinho, seguramente o único Gênio e Santo de toda a nossa História Bíblica, dizia: “Prefiro os que me criticam, porque me corrigem, aos que me adulam, porque me corrompem”.


E é partindo daí que devemos refletir, com aquele que recebeu de nossas mãos uma procuração para nos representar por 4 anos, os laços envolvendo Poder Executivo X Poder Legislativo, especialmente todas as tramas, conchavos, alianças e barganhas para definir a maioria dos vereadores na base de apoio ao prefeito e, a partir daí, influenciar na decisão de quem será o próximo mandatário do Poder Legislativo, ou seja, quem será o Presidente da Câmara.

E todas essas alianças, distantes dos olhos da mídia e da opinião pública, estão diretamente ligadas ao desejo que o Poder Executivo tem de produzir o Presidente da Câmara, ter a maioria dos legisladores na situação e, com isso, conseguir aprovar projetos do Executivo, bem como calar a voz crítica que toda Câmara, livre e independente, deveria apresentar aos olhos da cidade que a elegeu.

É uma pena que muitos prefeitos ainda não entenderam que as críticas construtivas, apesar de tirá-los em muitos momentos da zona de conforto, fazem-nos repensar, trazem importantes reflexões e contribuições, exigem inovação, provocam mudanças...

Por outro lado, os “abutres” de plantão, seja em cargos comissionados no Poder Executivo, seja no Legislativo, além, é claro, de muitos bondosos patrocinadores de campanha, vivem bajulando o Prefeito e seus assessores para continuarem “mamando nas tetas” do nosso dinheiro, das nossas contribuições e impostos...Por isso, muitos desses “abutres” não criticam ou não gostam de ouvir críticas em relação aos Poderes Executivo e Legislativo.

Não devemos, no entanto, colocar todos os cargos de confiança na vala comum, pois existem muitas pessoas sérias e éticas. Mas a nossa reflexão visa a conscientizar os homens de bem, que esses políticos fazem um mal enorme à nossa sociedade e ao desenvolvimento da cidade.


Você, eleitor, já percebeu que na Câmara de sua cidade existe de tudo?


É exatamente o retrato da sociedade! A Câmara será melhor quando a sociedade for melhor, pois elegemos aqueles que se parecem conosco. Se eu recebo umas telhas, uma cesta básica de um candidato, como posso exigir comportamento ético desse indivíduo no exercício da vida pública?

O indivíduo sai para viajar pela empresa onde trabalha e, passando por um posto de alimentação, aceita uma nota fiscal com valor superior ao gasto. Que moral esse cidadão terá para apontar o dedo acusador para um político corrupto?

E se não bastasse toda essa podridão dos semelhantes, tendo de um lado os que erram, de outro lado aqueles que têm a boca calada por favores, ainda presenciamos homens de bem calando-se diante de tudo isso, agindo como espectadores dessa canalhice social.

Martin Luther King resume com sabedoria essa realidade: “O que me preocupa não é o grito dos maus. É o silêncio dos bons”.

A Bíblia Sagrada dirige-se aos homens, cujo Deus é o dinheiro: De que vale ganhar todo o dinheiro do mundo e perder a alma? Deus é infinitamente bondoso com os justos, mas impiedoso com os ímpios. Um dia, todos seremos cobrados pelo Pai acerca do que fizemos com os talentos que Ele nos confiou.

Reflitamos sobre duas questões:


Você gosta de ouvir mais elogios ou críticas?

Você cresce mais com elogios ou com críticas?


Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Nenhum tag.
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • YouTube Social  Icon

Para somar histórias.